quinta-feira, 29 de julho de 2010

Trabalhando na roça

Aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão. Aquele que lança a semente, voltará com cantos de alegria, trazendo seus feixes.


Salmos 126.5-6 NVI

Talvez poucos hoje saibam o que realmente significa uma roça, o que é trabalhar com plantio e muito menos o que é enfrentar clima e terrenos dificultosos. Meditando hoje neste texto, Deus me mostrou que fazer missões é ir para roça, é estar na roça. Hoje vivemos numa cultura que a roça é sinal de pobreza, é o coitado que não pode ou não teve mesmo a oportunidade de estudar e por isso esta lá, como se viver de roça fosse para quem não sabe fazer nada na vida. Até parece que viveríamos sem o arroz da roça, o feijão, e aqui em nosso nordeste a mandioca, o inhame e a macaxeira; todos plantados em um tempo certo, cada um em sua estação. O que fazer se todos saírem da roça? Quem vai plantar? Quem vai colher? Como vamos nos alimentar?

Amados, nestes quatro anos de trabalho missionário em tempo integral, no qual compartilho com o mesmo tempo de casado, marcamos e plantamos algumas roças, colhemos e deixamos para colherem para gloria de Deus, e lembro-me que em alguns casos preparar a terra para lançar a semente foi algo muito dificultoso, foram terrenos espinhosos, onde tivemos de entrar para limpar e tirar todo espinho e preparar a terra com adubo para receber enfim a semente; por trabalhar em meio a espinhos, muitas vezes saímos sangrando, ralados, cortados, mas feliz por ter conseguido plantar, mas, por ser tão doloroso pensamos em desistir, mas lembrei-me dos espinhos que Cristo suportou por mim, e isso nos fez continuar. Enfrentamos também o desprezo, e até o abandono por sermos simples plantadores de roça, em terrenos secos do sertão, e nos momentos em que pensamos em desistir o Dono da roça sempre nos fortalecia dizendo: Continuem, são poucos os trabalhadores.

Ah, não existe nada mais valioso do que ver os frutos de uma plantação difícil estarem prontos para serem colhidos, e comparando com espigas, vemos que muitas delas eram fortes, cheias e famosas, e outras fracas com um crescimento lento, mais estavam lá.

Existe muita gente com fome, por falta de trabalhadores na roça; percebemos que não nascemos para outra coisa, a não ser trabalhar na roça, não por falta de estudo, isso até temos e precisamos de mais, para nos aprofundar no conhecimento da agricultura espiritual e assim tratar os diversos tipos de terreno. Uma coisa percebemos também, que o trabalho braçal, de nada vale se não houver os carregadores, os fornecedores de boas sementes, os que com muito esforço fazem investimentos no campo e amparam os trabalhadores. É sem duvida um trabalho coletivo, e sem as orações, sem as palavras de conforto, sem a presença e ajuda daqueles que se dispuseram, teria sido ou é bem mais difícil. Deus é o dono das diversas plantações, e ele esta comissionando pessoas para juntos plantarmos varias roças. (Fazer missões).

Um comentário:

  1. Muito bonito, vc é realmente enviado pelo Senhor, muito sucesso em sua caminhada, na sua escolha existe um sentido, se doar, em benfícios do irmão.
    Que o Senhor lhe acompanhe sempre.
    Idelfonso

    ResponderExcluir

A História de Mary Jones