segunda-feira, 25 de outubro de 2010

E quem há de ir por nós?

Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.

Isaias 6.8

Amados, fico feliz quando vejo a disposição de alguém para ir, e fazer missões, para evangelizar, anunciar aquele que por nós se sacrificou e nos deu uma nova chance de vida eterna com Ele. Fico feliz quando alguém como profeta Isaias responde ao Senhor, Eis-me aqui, envia-me a mim. O que isto representa para você? Queridos não existe atitude mais nobre, e com isto quero externar a minha felicidade ao receber a mensagem logo abaixo de minha irmã e amiga Rayane, que resolveu dizer ao Senhor o Eis-me aqui e assim participar do projeto missionário da Juvep em Janeiro próximo.

Leia com carinho este recado e adote esta missionária...

" FIEL É O QUE VOS CHAMA, O QUAL TAMBÉM O FARÁ" I TESSALONICENSES 5:24



Confiando nessa promessa do nosso Deus, eu estou dispondo minha vida, meus dons e meu tempo pra servir ao meu Deus em tempo integral durante o mês de janeiro no Projeto Missionário da JUVEP. È uma honra e um desafio pra mim dizer sim!

Confesso que tenho meus medos e que existem barreiras a ser rompidas, por isso venho até os amados através desse email, pedir a intercessão dos mesmos por esse projeto, pela cidade a ser alcançada MILAGRES-CE e pela minha vida, que Deus me capacite e retire de mim todos os medos e temores. Orem para que aqueles dias sejam dias onde a gloria de Deus vai se manifestar, e onde pessoas vão ouvir sobre o Amor de Deus, que muitos possam se render ao pés do Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Peço ainda que os amados, ao lerem esse email, me respondam confirmando as vossas orações pelo Projeto e por minha vida.

Sem mais para o momento,

Grata pela atenção e orações

Abraço fraternal e a serviço de vós, em Cristo.

Rayane de Sousa.

"Quão formosos são os pés dos que anunciam as boas novas!"

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Tomando o cesto e distribuindo o Pão!

E Jesus, chamando os seus discípulos, disse: Tenho compaixão da multidão, porque já está comigo há três dias, e não tem o que comer; e não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça no caminho.
Mateus 15.32

O que me impressiona neste relato da multiplicação dos pães e peixes, foi a forma em que Jesus chamou os seus discípulos e declarou sua compaixão pela multidão... O sertão nordestino hoje passa por uma fase tão qual a de anos atrás quando uma grande seca que matou seus animais e povo sofria a míngua de fome e sede, pais de família tiveram de sair em busca de ajuda e muitos destes até hoje não voltaram.
No texto acima vemos uma multidão seguindo Jesus e a três dias estavam sofrendo por estarem com fome, pois nada tinham para comer, então aflorou-se a compaixão de Jesus; e o que isso tem haver com o sertanejo? Vou lhes contar:
Hoje existem multidões de sertanejos que passam por grande fome, e muitos deles querem seguir Jesus, ou pensam estar seguindo a seu modo é claro, o fato é que querem seguir Jesus com fome, porque não tem quem sacie... Ou tem, mas são poucos ou não se dispõem, ou não são motivados a ir... Jesus mostra sua compaixão mostrando aos discípulos como deveriam fazer, não despachando o povo para que fossem embora sem ser alimentada, mas Jesus os leva a uma ação, a ação de tomar os cestos e distribuir ao povo os pães e os peixes. A compaixão que Jesus teve e tem, deve nos motivar a saciar a fome de uma multidão de sertanejos que vivem a míngua da palavra de Deus, e o Senhor Jesus nos convoca a tomar nossos cestos e distribuir o pão que da vida, água que vivifica o pecador e da uma nova esperança. O sertão nordestino precisa de Jesus, precisa ser alimentado, sua sede precisa ser saciada com o poder regenerador do evangelho de Cristo.

Missionário Sertanejo

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Juvep define a cidade que sediará o próximo projeto missionário de férias

Milagres: esse é o nome da cidade que vai receber o 54º Projeto Missionário de Férias da Juvep.
No mês de janeiro de 2011. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas direto no site:
http://www.juvep.com.br/projetomissionario/

Milagres é uma pequena cidade do cariri cearense, distante 402 km da capital do estado, na região de Juazerio do Norte.

Com uma população de quase 30 mil habitantes, apenas 1,1% conhecem a Cristo. Com quatro igrejas evangélicas pequenas, é um município muito necessitado de mais evangelização. Cremos que uma nova igreja vai ajudar significativamente o crescimento do Povo de Deus na cidade e que o Projeto Missionário será um marco na vida espiritual de todos os seus moradores.

O nome Milagres é uma homenagem à padroeira da cidade, Nossa Senhora dos Milagres. Nas suas origens, o lugar já se chamou Freguesia de Milagres. Suas origens datam do Século XVIII, quando colonizadores brancos instalaram-se próximos ao sítio denominado Pilar, local onde ainda acostaram forasteiros e índios Tapuias, iniciando um conflito pro posses de terra, o que deu origem a um povoado.

As primeiras manifestações religiosas datam do ano de 1735, quando o Capitão Bento Corrêa Lima edificou a primeira capela local. As terras onde foi construído o patrimônio eram de posse do Capitão Bento e de seus filhos. A elevação deste povoado à categoria de vila ocorreu no dia 1º de abril de 1813. Sua elevação à condição de Município ocorreu no dia 17 de agosto de 1846.

Venha fazer parte do exercito de Deus que irá mudar a história de Milagres, anunciando o maior milagre de todos os tempos: o nascimento, vida, morte e ressurreição de Cristo Jesus. Junte-se a centenas de jovens e adultos de todo país, que todos os anos dedicam suas férias para servir ao Senhor evangelizando no nordeste brasileiro, através da Missão Juvep.

Contamos com você, seja com sua participação ou oração

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pense e repense!!!

Todos os dias ao acordar olhamos em nossa volta e pensamos no que vamos fazer, no horário marcado, nos compromissos assumidos. Pensamos na vida corrida e cheia de desafios pessoais, e naquilo que podemos ou não conseguir. Existem pessoas que jogam na loteria pensando em mudar de vida e talvez estruturar a sua família, há pessoas pouco preocupadas com isso e levam a vida sem grandes compromissos, há pessoas que tiveram grandes oportunidades de estudar e “se dar bem”, outras só de “se dar bem”, mas há aquelas que não tiveram oportunidades e que vivem em situação de miséria e fome. Sei que parece que mudei o assunto; onde estamos nós que acordamos e pensamos em nós mesmos... O grande problema esta aí, é difícil pensar no próximo, agir por eles e interceder por eles, mas independente do que cada pessoa é ou representa, uma coisa todos precisam, e isso eles tem em comum, todos precisam de Cristo, e ao acordarmos não pensamos nessas pessoas, simplesmente focamos os nossos olhos nas coisas que vão satisfazer os nossos próprios interesses. Ouve o caso que me chama muito a atenção, que é a historia do bom samaritano, veja só:
E eis que se levantou um certo doutor da lei, tentando-o, e dizendo: Mestre, que farei para herdar a vida eterna? E ele lhe disse: Que está escrito na lei? Como lês? E, respondendo ele, disse: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo. E disse-lhe: Respondeste bem; faze isso, e viverás.
29 Ele, porém, querendo justificar-se a si mesmo, disse a Jesus: E quem é o meu próximo? E, respondendo Jesus, disse: Descia um homem de Jerusalém para Jericó, e caiu nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto. E, ocasionalmente descia pelo mesmo caminho certo sacerdote; e, vendo-o, passou de largo. E de igual modo também um levita, chegando àquele lugar, e, vendo-o, passou de largo. Mas um samaritano, que ia de viagem, chegou ao pé dele e, vendo-o, moveu-se de íntima compaixão; E, aproximando-se, atou-lhe as feridas, deitando-lhes azeite e vinho; e, pondo-o sobre a sua cavalgadura, levou-o para uma estalagem, e cuidou dele; E, partindo no outro dia, tirou dois dinheiros, e deu-os ao hospedeiro, e disse-lhe: Cuida dele; e tudo o que de mais gastares eu to pagarei quando voltar. Qual, pois, destes três te parece que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? E ele disse: O que usou de misericórdia para com ele. Disse, pois, Jesus: Vai, e faze da mesma maneira. (Lucas 10.25-37)
Muitas vidas estão correndo para o precipício nos dias de hoje, e nós estamos sendo o sacerdote da historia, o levita da historia, desta vez estes nomes não são tão atrativos; precisamos ser o samaritano desta historia, e colocar o foco de nossa missão em pessoas que precisam de Cristo... “porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”; (Romanos 3.23)

Por. Cleber Campos (Missionário Sertanejo)

sábado, 9 de outubro de 2010

Dados do Sertão

A região Nordeste é uma das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 1969. Ela possui uma área semelhante à da Mongólia, uma população, relativamente, pouco menor que a da Itália e o IDH próximo ao da Síria. Em comparação com as outras regiões brasileiras, tem o terceiro maior território, o segundo maior colégio eleitoral (com 34.377.377 eleitores nas eleições de 2008) e o pior IDH.
É a região brasileira que possui o maior número de estados (nove no total): Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Pernambuco (incluindo o Distrito Estadual de Fernando de Noronha e o Arquipélago de São Pedro e São Paulo), Rio Grande do Norte (incluindo a Reserva Biológica Marinha do Atol das Rocas) e Sergipe.
Na época do Brasil Colônia, a região Nordeste foi o berço da colonização portuguesa no país, de 1500 até 1532, devido ao descobrimento por Pedro Álvares Cabral com o objetivo de colonização exploratória, que neste caso consistia em extrair pau-brasil, cuja tinta da madeira era utilizada para tingir as roupas da nobreza europeia. Com a criação das capitanias hereditárias, deu-se o início da construção da primeira capital do Brasil, Salvador, em 1549. Desde o início, foi criado o governo-geral no país com a posse de Tomé de Sousa.
Em relação aos aspectos naturais, há as presenças dos climas equatorial úmido, litorâneo úmido, tropical e tropical semiárido, sendo que o último é predominante. A cobertura vegetal predominante é a Caatinga, mas também há faixas importantes de Mata dos Cocais, Mata Atlântica e Cerrado. Existem diversos tipos de plantas na caatinga, sendo uma delas o mandacaru, um tipo de cacto, que pode ser considerado como um reservatório natural de água, mas em dimensões irrisórias para o consumo do contingente da região.
Na região do sertão podem ser encontrados vários poços subterrâneos, porém sua água é salobra. A sua dessalinização ainda é um processo caro e que pode ser um incômodo para os políticos que forem aversos ao desenvolvimento do local, já que libertaria a população da Indústria da seca. Existem grandes açudes em algumas cidades, mas que são mal utilizados. Uma solução para grandes períodos de estiagem é a criação de cisternas. Esse fato constitui-se um dos principais problemas da gestão integrada de recursos hídricos no Brasil.
Em áreas que estão afastadas do oceano e isoladas por regiões montanhosas como o Planalto da Borborema ocorre a escassez de água causada pela estiagem, principalmente em períodos em que o fenômeno El Niño se manifesta. Em períodos de longas secas, como nas décadas de 1950 a 1980,[3] vários nordestinos morreram de sede, inanição ou de doenças e problemas de saúde causados pela seca, fazendo com que muitos dos sobreviventes se mudassem para outras regiões. Entretanto, parte do Maranhão não sofre com problemas de seca, por estar situado às margens do complexo regional da Amazônia.
O Nordeste é também conhecido,nacionalmente pelos seus dialetos e sotaques próprios. A característica mais conhecida é a do sotaque chamado, vulgarmente, "arrastado", devido ao excessivo uso de exclamações durante o diálogo em algumas áreas da região, além de expressões únicas.

A História de Mary Jones