segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Boletim Informativo - O Grito do Sertão


O Grito do Sertão     

13/2012

Os não-alcançados pelo evangelho gritam por você!

Notícias e Avisos

Não perca:
Ø  CBT – Curso Bíblico de Teologia – 3 a 31 de janeiro de 2013 – veja anexos e www.cbtnordeste.blogspot.com.br
Ø  ProAV – Projeto Água Viva – Projeto Missionário em Porto/PI – 4 a 16 de janeiro de 2013 – veja anexos e www.prosertao.org /www.projetoaguaviva.com.br
Ø  CMI – Capacitação Missionária de Igreja em São Raimundo Nonato/PI – 17 a 27 de janeiro de 2013 – veja anexos e www.prosertao.org
Prepare-se:
Ø  Congresso de Missões em Teresina – 11 a 13 de abril de 2013
Ø Congresso Nordestino de Missões – veja anexo e www.cnm2.com.br

Gratidão e Intercessão

·         Agradecemos pela parceria com o instituto Palavra da Vida de Benevides-PA como também pela Conferência Missionária muito abençoada;
·         Agradecemos pelo bom andamento de parceria com a Aliança das Igrejas Cristãs Evangélicas do Brasil;
·         Agradecemos por bons contatos de pessoas e igrejas interessadas;
·         Agradecemos pelas pessoas e igrejas que estão sustentando os missionários Cleber e Rivalda - veja http://www.missionariosertanejo.blogspot.com.br;

·         Interceda pelo CBT, pelos alunos e professores. Esperamos que haja encontros com Deus durante este tempo;
·         Interceda pelo projeto missionário em Porto e que aconteçam transformações;
·         Interceda pelo CMI em São Raimundo Nonato e que a igreja possa aproveitar ao máximo o treinamento e abraçar uma visão totalmente missionária;
·         Interceda pelo sustento e a saúde de Cleber Campos.
  
Apelo

·         Divulgue a possibilidade de que igrejas possam apoiar igrejas no sertão na obra através de visita e treinamento. Entre em contato conosco: prosertao@gmail.com .
·         Prepare-se para não perder a oportunidade de servir a Deus no Sertão no ano que vem!!!
·         Ore e contribua com o sustento do missionário Cleber Campos.

Citado por Caroline Faria
A origem da palavra “sertão” é controvertida. Alguns afirmam ser derivada de um vocábulo de origem angolana: “muceltão”, que quereria dizer “lugar interior”, “terra entre terras”, “local distante do mar”. O vocábulo angolano teria sido alterado para “celtão” e depois “certão” até adquirir a forma atual “sertão”.
  Outra versão, mais aceita, atribui a palavra “sertão” ao étimo latino “desertanu”, utilizado para designar regiões interioranas, longe do litoralporém não necessariamente de clima árido e que teria sido modificado para “desertão” e depois, apenas “sertão”.
Seja qual for sua origem, a verdade é que a palavra “sertão” pode adquirir significados bastante distintos, porém é sempre empregada para designar locais pouco habitados ou onde predominam costumes antigos em contraposição às regiões desenvolvidas.
  No período colonial brasileiro, “sertão” era freqüentemente empregado para designar as terras ainda não exploradas do interior do país, pouco habitadas, de difícil aceso e, por isso, pouco desenvolvidas. Com o tempo, e a colonização de grande parte dos “sertões”, a definição mais comum ficou atrelada às regiões que compõem o semi-árido brasileiro, mas também são chamados de “sertão” os interiores de Mato Grosso, Goiás, e até mesmo do Amazonas no sentido de regiões pouco povoadas.
De qualquer forma, a palavra “sertão” está intimamente relacionada com a história e a identidade social e cultural, principalmente das regiões nordeste do Brasil e norte de Minas Gerais.
Isso se deve, em grande parte, aos trabalhos de escritores como Guimarães Rosa (“Grande Sertão: Veredas”), Euclides da Cunha (“Os Sertões”), Graciliano Ramos (“Vidas Secas”) e Afonso Arinos (“Os Jagunços” e “Pelo Sertão”), que tiveram no sertão nordestino e mineiro o cenário ideal de seus contos, contribuindo para criar no imaginário popular um conceito um tanto quanto romantizado da vida e do homem do sertão.

Agradecemos por ter nos acompanhado e apoiado durante o ano 2012. Desejamos a todos Feliz Natal e um Novo Ano cheio de providências de Deus

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A História de Mary Jones